segunda-feira, 16 de abril de 2012

Ah, como seu desprezo me machuca...
Esse estar junto e ao mesmo tempo tão distante.
Ficar esperando o tempo todo por um carinho seu, por um toque.
E meu orgulho se envergonha de admitir isso. Que sempre estou a te esperar, e você nunca a me olhar.
Mendingando seu carinho, seu amor. Esperar semanas, meses, por um gesto de ternura, e depois voltar a esperar por mais semanas, meses, por outro gesto.
Querer conversar pra te trazer pra perto de mim... E você sempre recuar...
Dizem que o amor desperta o que há de melhor na gente.
Dizem que o amor é altruísta a ponto de se afastar quando não é correspondido ou quando não faz bem ao outro.
E talvez essa seja a maior prova de amor que eu possa te dar: me afastar.
Engraçado que já estou decidida, que do jeito que está não dá. Aí você, como que quem adivinhando, me chama de amor, e nasce em mim a esperança de que tudo vai mudar, de que tudo será como antes. Mas logo você me despreza de novo. Foi só um engano.

Nenhum comentário:

Postar um comentário